Quedas em idosos

06-07-2011 14:08

 

Os acidentes do tipo quedas nas pessoas idosas, infelizmente, são comuns e aumentam progressivamente com a idade. No Brasil, cerca de 30% dos idosos caem pelo menos uma vez no ano, com maior frequência nas mulheres. Estudos mostram que 70% das quedas em idosos ocorrem dentro de casa, sendo 26% por piso escorregadio, 22% por objetos deixados no chão e 7% por problemas com degraus.


Após uma queda, os idosos ficam mais dependentes de outras pessoas para realizar suas atividades diárias. A queda pode significar que houve o declínio das funções fisiológicas (visão, audição, locomoção) ou, ainda, representar sintomas de alguma patologia específica. Podem provocar fraturas, traumatismos cranianos e morte, dependendo do caso.

Afetam a qualidade de vida do idoso por consequências psicossociais, além de provocar sentimentos como medo, fragilidade e falta de confiança. Muitas vezes funcionam como o início da degeneração do quadro geral do idoso, pois, além de reduzir sua mobilidade, também afeta as atividades sociais e recreativas tornando-se um problema de saúde pública.

Um ambiente domiciliar adaptado às mudanças ocasionadas pelo envelhecimento, além de prevenir acidentes, maximiza as potencialidades e favorece a independência. Algumas atitudes simples podem deixar o domicílio do idoso mais seguro e adequado as suas necessidades, tais como permitir o fácil acesso a todos os ambientes do domicílio e área externa. Devem-se evitar desníveis de um cômodo para o outro. Se necessário, opte por rampas com corrimãos em vez de degraus.

Evite os pisos escorregadios em qualquer idade, dê preferência aos foscos e antiderrapantes. As escadas devem ter corrimão em ambos os lados, iluminação com interruptores no início e no fim. Durante o dia priorize a luz natural, que facilita a visualização do ambiente e o torna mais agradável. Mantenha objetos importantes sempre no mesmo lugar (remédios, chaves, utensílios domésticos etc.). Evite ambiente com muitos móveis, isso pode causar ferimentos e dificultar a circulação.


Trancas que abrem por dentro e por fora ajudam na eventualidade de o idoso passar mal ou cair no banheiro. O vaso sanitário em altura maior facilita no momento de levantar (variável de acordo com cada idoso); essa modificação pode ser feita elevando o vaso por meio de uma base de alvenaria ou com elevadores de assento encontrados em lojas especializadas. Para completar, implante as barras de apoio (há vários tipos, tamanhos e materiais). O ideal é que sejam instaladas de acordo com a altura da pessoa.

Texto de: Mariela Besse (terapeuta ocupacional do Instituto Longevità e membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia-SP)
Fonte: Moginews. Disponível em: http://www.moginews.com.br/materias/?ided=1108&idedito=83&idmat=85104